21.12.08

A Inércia da Lei

Circulo o meu ócio
como o emprego dos classificados
Interpreto os MEUS olhares
como os poemas de Buckley

Sagatibo a vida
como o beijo em tua face
Sorteio o amor alheio
como o sócrates e sua sabedoria

Seria, eu, mais um maluco?
Seria, eu, mais uma clave?
Seria, eu, um inútil?
Seria, eu, apenas eu?

Leio uma parte de mim
como o critério mais agudo d'alma
"Monstruo" a lei
como tirar a camisa em local público

Odeio os meus ódios
como o peru a sua caxaça
Justifico esta frase
incapaz de dizer: EU NÃO TE AMO!
Postar um comentário