18.5.11

O trono

O venenoso adeus
Corrói a mente de quem ama.
O beijo do plebeu
é o afago da camponesa sobre a cama.

Se facas e gritos,
Juras e sexo
Fazem diferença escritos
Morrerei perplexo.

Não admitiria a essência de um deus.
Sofreria por amor, não por calúnia.
Serei crucificado sendo um monte "Eus"?
Alfazema: Paz e água de colônia.

Quinzena de maio.
Lua cheia e outono.
O mundo vidrado, caio.
Entronizo-te sono.

Zumbido, moscas.
Onde habito senão a terra?
Vinhos e foças.
Mentirá aquele que nunca erra?

Postar um comentário