8.8.11

Chore por comum

Por Deus, que haja compreensão
Amor e paciência.
Ninguém é fraco, não.
Ensina À ciência.

Louve ao céus por pecados meus
Louve o clamor de prazerosa crença
Da vida ao lenço e pena a plebeus
Rainhas e reis, uma doença necessária.

Chore por comum, mas sorria
E Embreague-se de feijão
e fuja com maestria.
Respeito sim com um não.

Purifica-te, Perdão.
Profetize e me faça errar
Para a matéria e a falta de solidão.
Jorrar. Proclamar.


Eu te amo.


Vai e mostra-me como esqueci de dizer que não és apenas o mínimo do meu esforço de aclamar por ventos de verdade e amor, somados à incógnitas e perseveranças do sentido plural de menor: Menores.
Humildade é tudo. O sorridente clama pelo choro. O que chora não vê sorriso no espelho por causa das lágrimas que encharcam seus olhos.

Sabe o que pode ser?
Falta de consideração no amor de uma formiga. Talvez trabalhe demais, mas quem poderá me garantir isso? E se elas não fossem as mesmas?
Formigas demais garantem doçuras demais na cabeça.
O próprio Juiz é Deus, ora essa.

Se ele disser:
- FOda-se. Nenhum deus precisa contar vantagem sobre nada.
Abrigo e fúria te seguirão pelo contrário, pois houve "sentido e justiça" de quem não se vê

Chore por comum.
Enobreça o perdão de estar na cruz
Saia da frente da Luz
Não faça sombra pra quem só olha um.
Não faça sombre pra quem só olha um..
Postar um comentário