28.10.11

Tenho andado trêmulo
As transformações estão a me torturar
Atos que parecem certos, acúmulos
De interromper o suspirar

O que eu não pudia
Eu sempre quis por alegria
Agora é consciência e ócio.
Não por vontade, nostalgia.

Vai acontecer
Vai castrar todo o desejo
Sairá de nós para você.
Esquecerá do que eu fiz por medo.

E quanto à minha vontade
Basta e ainda estou aqui
Só por que eu te amo?
Não. É porque EU TE AMO.
Postar um comentário