16.9.12

Bellus Egoístus


Por tanta iniquidade foram queimadas as lembranças.
O sinal imputável da morte satisfaria a chegada ao vale dos sonhos, onde havia a poesia e o encanto de sorrisos. Não, não havia conversa. Havia poesia e encanto de sorrisos. Sorrisos.
Porque perdemos a vitalidade, paramos de respirar e somos capazes de reclamar o tempo inteiro. À poesia o caminho para o entendimento da palavra e a escrita. Uma ligação entre transições e etapas, pois não é permitida a paranóia, pois não é permitida a incerteza, pois não é permitida a posse, pois não é permitida a inveja, pois não é pertinente se perder tempo pensando em nada disso, pois não existe a loucura, pois não é necessário dúvida, pois não temos nada, pois ninguém está olhando para você agora, respectivamente.
Viver e compartilhar quando necessário. Uma, duas, três, quatro vezes. Não permitamos que a preguiça nos impeça de contemplar o nascer do sol. 03h16min. Não permitamos que nos façam acreditar que não existiu encanto nas palavras que não dissemos quando sentimos o vento no rosto e escutamos o canto das árvores. Aquele que ainda não aprendeu a dançar é porque nunca se encontrou como par. Condução de si: conduzir o outro sempre.
Duvido.
E muito.
Postar um comentário