8.6.12

Morango.

Noite
Brilho vermelho e sorridente.
Os céus estão abertos
E faz frio o tempo.

Aquele gosto de morango.
Azedinho e doce.
Uma troca de sabores
Os olhares e as lágrimas.

Guardar  a mesma sintonia
Para a memória mais tenra
Mais uma vez, um mito
A história desse mistério.

Será que caminharemos a outro mundo?
Ou será que o sol voltará?
Aceitando a minha condição.
A liberdade contida em mim.

Não há medo.
Há de ser bom de pegar.
Há de querer-se de novo.
Há de se ter.
Postar um comentário