15.10.12

Você está feliz?


Lágrimas em busca de paz. Assim definiria o estado de ausentar-se da paixão, pois não há como escalar 10 metros em altura sem o exercício contínuo dos membros, sem estar apto para respirar aliviado por olhar que, abaixo de si, existe humanidade independente de si. Que pena.
Costumo afirmar que tristeza é ausência de si e reitero afirmando que a paixão é, ainda, a  melhor jogadora que há, justo por ser piegas, inútil e duvidosa. Não arriscaria um reino inteiro para viver uma doce e linda paixão. Não mais.
Haveria de permanecer no reino e, no momento exato, clamaria à paixão o sabor dos lábios mais macios, os olhos mais lindos do universo, a pele mais cheirosa... Só este estado deplorável, a paixão, pode elevar-me às alturas com toda essa elementar e infantil percepção. Sim, infantil, pois a fantasia morreu antes mesmo de confiar na verdade. Morreu antes de confiar.

- Você está feliz? 
- Sim. Há felicidade em mim.

Atento às respostas do universo, percebo que não há como ausentar-se dos mistérios do silêncio e, não obstante ao sorriso, não sinto saudades do que fui sequer há 3 segundos, pois a fantasia perdeu-se ao passar 05 minutos envolta de palavras que não corresponderiam ao futuro, tampouco ao sublime amor.

- Você está feliz?
- Sim. Há felicidade em mim.

Assim, martela-me o pensamento saber que há alguém que possa ser feliz sem amor. Sem o amor que abriu mão de tudo para ser integralmente a melhor companhia de todos os tempos, o mais chato de todos os conteúdos, o inconveniente mais presente diante do preconceito, da dúvida, da imaturidade, de gente negativa à volta, desafiar os santos em prol da loucura de servir à paixão. O amor jamais se permitiria servir à paixão, por isso morreu antes de confiar na verdade. O Amor morreu? Não, a fantasia. Desculpe.

- Você está feliz?
- Sim. Há felicidade em mim.

Dias e mais dias passarão e não terei as respostas que preciso, mas pra que diabos eu vou querer ter todas as respostas se, no momento em que mais precisei de respostas, as maiores doses de humildade e adrenalina foram injetadas no corpo já emagrecido pela dor? Um susto. Nada mais.
Espero que, um dia, o mundo compreenda que, para ser amor, tem que ser despretensioso, pois só quando se cala a voz do amanhã vive-se a magia da conectividade com a paz de ser SEMPRE aquilo que decidiu ser.

Seguindo o plano. Todos irão perceber.

"Alegria compartilhada, é alegria redobrada" Forfun
Postar um comentário