24.11.12

A fila


Viajando nas linhas do hábito acuso a liberdade em corrosão sendo a ressaca carnal do espírito.
Acabaria com outro estado de vida, mas a que acaba-se por si em trejeitos inocentes faz-se vítima só para convencer. Mágica demagogia, pois não estou ausente de mim.
Um passo após o outro seria uma demonstração inesperada, uma forma de prever-se na não continuidade  d'um objetivo. Um mero desvio do olhar.
Pânico entre as pernas,  o coração já acelerado, alguém está afim...
Um rastro, um despertar alvoroçado e o interesse de permanecer num único ser que se faça luz enquanto cada gole persistir em parecer outro mero hábito, cada sedução seja a confusa busca de roupas, um cigarro aceso, o corpo clamando outro corpo, outra dose.

- Outro dia. Outro Whisky, outro jazz, outro orgasmo. Outro... 

Postar um comentário