14.11.12

... I know where my tongue was ...

O cigarro entre os dedos era a única fuga dos pensamentos tórridos de uma mente brilhante. A véspera da chegada ao vigésimo quinto degrau, talvez, a mais cansativa de uma subida ao infinito mais parecia um fardo que em 1/4 de um gole de whisky ausente poderia se mostrar.
No andar cambaleante, um prosseguir de minutos e a sensação de desmaio em que não havia forças para sequer abrir os olhos, um soldado relutante em assumir as vitórias de uma guerra traçada possuia o tom doce e intransponível. Injustiça, ojeriza, praga e maldição dilaceradas. A tristeza, a ausência de si, mostrava-se um pretexto para faláceas, julgamentos, ser o fantasma de outrem.
O clarão dos multicoloridos timbres envoltos de positividade é hipócrita. Haverá de por dores em almas desencorajadas,  não curadas por uma guerra sempre traçada por um. Usaria um alicate sobre a mesa, e arrancaria a unha da carne causando dor, arrepios, vômito, mentira. Carne e unha separadas. Falsa dor.
No chão, o gotejar de sangue, na alma, a agonia das lágrimas que jorraram, o desespero com pressa de chegar ao fim.
A dor tornou-se banal, desprezível.
Há pessoas que acusam a inveja motivadas apenas a desdenhar das dúvidas que possuem e "jokearem" os defeitos do outro. Bobagem. Uma fase imoral, talvez. Mais de uma memória gasta com noções imbecis sobre tudo.
 Um mero e contínuo disfarce comum a todos. Mount a character and go.
Já não se salta para ver o que há por cima do muro, pois há a palavra branda, o olhar tenro e os punhos levemente cerrados para bater à porta e pedir um copo d'água. Assim, se trazido por benevolência, maravilhosa e fresca, não gelada, será água: Inodora, incolor, sem sabor. Em outro caso, cores que possuem cheiro e sabor inesquecíveis não passam de loucura. E a vida passa a não ter uma voz afinada, volume exato e deixa de ser agradável.
Também banalizei a dor.
Não há problemas com o que se é, nem com o que se quer, há com o que se dá e no que se guarda como lembrança, desprezível como a dor.
Não se faz das tripas coração.
Postar um comentário