3.7.13

Coisa esquisita de ficar em cima do muro...

Eu não sei
Se habito o hábito
de imaginar-me Rei,
Teu gozo,  teu hálito.

O cigarro aceso
em prazer e beijo
O girassól mesmo
Nos olhos do meu desejo.

Metade vício
Linhas brancas às tuas formas
Copo e whisky ao suicídio
As horas de língua entre às coxas

A falta, a luxúria, a saudade
Que me rege, oh, primícia
A amiga, a íntima, a vaidade, a arte
A arte de nossa malícia.

Hoje eu sonhei o desejo
o apelo, o elo, o beijo
E as lágrimas e a súplica final,
Gozo, olhos fechados, carnal.

Hoje você não sonhou
Nem a história, nem o talvez
Nem eu, nem a merda, nem o enjoo,
Só ele, nem a pílula, nem você.
Postar um comentário