17.2.09

Ocultismo

Eu sou a fonte de glórias
eu sou a morte que espera ser desperta
que castiga a própria fatiga
com pílulas indignas

Eu não consigo morrer
Eu só prefiro o meu remédio de fumaça
que contagia a minha cisma oriental
com uma nova língua... e que língua, viu?

Eu entendo o seu pranto
eu entendo a cor das suas malas de lágrimas
que sofrem de tristeza por sentir-me alegre
com sua vara de condão

Eu não peço que você exista
Eu só existo e exijo respeito
que esqueceram de me dizer como se aprende
com alguém que não enxerga o próprio umbigo.
Postar um comentário