17.5.11

O que conheço de mim

Vou comportar-me de modo tranquilo
Sentindo os ruídos do nylon
Envoltos de madeira e cola

A propriedade do discurso
Ensinando e fazendo oferta
Parece amigável, perigoso.

Observo-me e alegro-me.
Não com o que sonho,
mas com o que conheço de mim.

Hoje quero experimentar
Além da boca, do sexo
Do sentido exposto dos lábios.

Quero a pele, a carne
O gosto do suor que alimenta, sal.
Um intransigente ato pecaminoso.

Amo e Peco.
Perco e amo.
Oh! Lua.
Postar um comentário