23.9.11

Essa primavera que não chega.

Primavera
Onde está o ensolarado amanhecer que prometeste?
Primavera
Onde estão as flores e o néctar  das flores dos lábios que sonhei?
Primavera,
Por que estais escondida, e, por que foges e te encondes?

Faça-me um manjar sem tolices e acuse-me de qualquer erro que a amargura de molhar-me com chuva leve e impetuosa possa me querer curar.
Destrua-me deste conceito de tanto tudo querer, deste meu jeito de argumentações sobre o paraíso de amar.
Evite-me do transtorno de ver alguém chorar e suspirar em gigantescas gotas de chuva que escorrem junto com lágrimas desconhecidas e distantes.
Troveje sob a minha cabeça.
Eu quero o que o querer quer.

Enfim, salvai-me deste inverno. Salvai-me.
Eu não consegui ser duro, nem flexível. NADA.
Postar um comentário