26.9.11

Hei de estar

"Um dia, hei de estar com os pés descalços
só pra sentir o sabor do solo diferente de mim.
Quero a simplicidade de ser Louco
e isso é anunciar de mim virtudes
que ainda conhecerei olhando
dentro de muitos olhos
e da inevitável fonte de toda métrica criacionista.
Só porque há vida demais no meu querer.
Só porque há vida demais no meu querer.

Das plantas que nascerão deste solo
romperão as formigas os pequenos e os galhos
e morrerão por falta de caminhos, de vida.
 Eu sei os caminhos de vida dentro de mim
Que só eu posso e sei percorrer, mas eu esqueço
Porque há vida demais no meu querer.
Porque há vida demais no meu querer.

Traduzi cada defeito e deleite
Quando a arquitetura de nossas palavras
Já não era mais como cinzas, mas como nuvens
que sumiram e vieram até mim como tristes e solitárias  formas de calma
mas...
Nada de litígios, nem fragmentos de posses miraculosas.
e Ninguém, nem eu, precisará de milagres.


Porque há vida demais no meu querer.
Porque há vida demais em qualquer querer
Postar um comentário