19.9.11

Segredo.

Renovo à paciência
Bloqueando a sombra
Sugando raios solares, criança
O mesmo e o nada.

Quero poder compartilhar
Um pouco do meu conto vital
Que espera muito do que ainda sussurrará
Nas linhas desse amor incondicional

Chega e encante-me
Com a cabeça sobre o meu ombro
Recitando nossos amores a mim
Distanciando ao odor do ódio, qualquer assombro.

Venha e purifique-se
Qualquer falha é sagrada.
Ainda assim não vacile.
Guarde as fotos, não as migalhas.

Põe as tuas pernas para o ar
Sente o sangue descer e subir
Vamos flutuar. Flutuar.
Porque, infelizmente, eu desconheço o segredo que está no porvir.
Postar um comentário