31.10.12

O mistério do planeta



Tardar em acordar.
Não houve motivação para não fazê-lo.
Por todos os pelos do corpo o ar
Aliviando o calor em favor de um elo.

Atos e mais atos
Não correspondem nada.
Palavras e tatos
Um meio amor e água, nada.

Todos os dias a mesma canção
Sorriso no rosto e um só sapato
Estar ao vento faz-me estender a mão
Por ser a flecha do seu calcanhar gasto.

Tempo, bendito tempo,
Que, das minhas entranhas,
o gozo, uma gota, um adendo
A aventura seja branca e a paz verde.

O mistério do planeta,
Um morar junto com a beleza
A liberdade do capeta,
o próprio Deus, com certeza.

Postar um comentário